Bruno Eugênio

Li uma matéria em 18/03 na Época Negócios sobre a relação entre o cansaço e solidão: quanto mais cansados estamos, mais solitários nos sentimos… E é claro que logo ligamos o trabalho, onde passamos a maior parte de nossas vidas, com o cansaço e esgotamento mental que este nos proporciona. Ok, nem todo mundo sente isso de cara mas a medida que você passa a se envolver com um trabalho que não proporciona as condições mínimas para o equilíbrio entre o trabalho saudável e o convívio social fora deste, você fatalmente vai se sentir esgotado, depressivo e vai passar a render BEM menos do que rendia, para piorar a situação, o cansaço e a depressão ainda são encarados no Brasil como “frescura” e muitos profissionais admitem que procuram ajuda tardiamente após perceberem que existem algo realmente errado em suas vidas.

Porque estou falando tudo isso? Devo ter a coragem de confessar aqui passei por maus bocados e cada vez mais estava me isolando, levando problemas do trabalho para casa (além do trabalho em si, o que não era nada raro já que SEMPRE existia a pressão de algo dar errado no meio de uma festa ou quando me permitia tomar uma cerveja com minha esposa em casa, já que em casa era mais rápido de assumir o computador caso necessário fosse) e entrando em um espiral que não me permitia descansar de verdade, ficando doente por conta disso. O pior é que com o mito do super executivo, muita gente acha normal responder e mails às 3 da manhã ou não ver seus filhos crescerem por conta de um trabalho. No ramo do desenvolvimento de software, hoje em dia é comum empresas que oferecem “benefícios” como escritórios descolados, lanches grátis e Netflix liberado na hora do almoço. Queria dizer que o melhor benefício que pode uma empresa dar as seus colaboradores hoje é condições de desempenhar o melhor para cada funcionário não precisar de infinitas horas extras.

Para se tornar um profissional bem sucedido, você não precisa ficar incontáveis horas porque seu chefe maluco fica. Se você o fizer, vai abdicar de si para o propósito dele, que por ventura não vai dar a mínima quando precisar fazer caixa e lhe cortar do quadro de funcionários… Entender isso é o primeiro passo que você deve tomar para começar a assumir que você pode ser produtivo sem precisar se sacrificar por isso. Se uma empresa permite que um gestor faça pressão psicológica para que todos trabalhem exaustivamente em torno de um prazo surreal, existe algo errado na empresa também, que é complacente com esse tipo de atitude. Ditas essas duas coisas que demoramos para entender, vou relatar o que andei aprendendo nesses últimos dez anos com relação ao trabalho.

1 – Se a coisa anda realmente ruim para você, que tal procurar outro emprego?
As vezes ficamos nos mesmos empregos que nos deixam doentes pelo simples medo que nos paralisa: muito tempo de casa, o mercado cobrando habilidades que não temos, o salário que tenho é bom, tenho filhos… O que posso dizer é, faça um planejamento e se programe. Ah, e nem tente fazer o que muitos indicam: reclamar no RH (Ou desenvolvimento de talentos, ou qualquer nome que tem hoje a área que cuida das pessoas) é ineficiente pois se existe uma área que conhece todo mundo, o lado bom e ruim, é o RH. E se eles sabem que seu gestor é fraco ou ineficiente, quando você reclamar VOCÊ vai entrar na alça de mira do RH (e se brincar, do gestor – experiência própria). Então, para não mexer no “equilíbrio” empresarial, o melhor a fazer é procurar novos ares.

 

2 – Mantenha o equilíbrio do pessoal x profissional a todo custo
Em determinados momentos, hora extra é um mal necessário. Porém, não caia no conto do super trabalhador porque seus companheiros se matam fazendo horas extras mesmo nos finais de semana. Se existe uma carga absurda de trabalho, claramente existe um erro de planejamento e com certeza não é você quem deve pagar por isso (a menos que de fato você seja O gestor, e deveria resolver a situação o quanto antes). Não existe mal nenhum de chegar E sair do escritório no horário padrão, isso não é demérito nenhum e cada vez mais com essa cultura maluca de startups e “o cliente sempre tem razão” isso vai se perdendo. Veja, não estou dizendo para você abandonar seus colegas quando o bicho pega porém viver assim não vai te levar a canto nenhum: você não terá tempo para malhar, não terá tempo para cuidar da saúde, não terá tempo para ver um filme no cinema com a esposa e os filhos… É isso que você deseja? Ou você deseja ser mais produtivo e efetivo no que faz? Lembre-se que ninguém vai pagar o médico quando você ficar doente e for demitido justamente por estar cansado e sem produzir por dois, como você costuma fazer O TEMPO TODO.

 

3 – Conheça onde e como você rende mais
Todos temos problemas, e confesso que eu ainda tento encontrar o meu ponto de equilíbrio profissional: eu não consigo render bem pela manhã, só pego mesmo depois das 10. O problema é que precisei driblar isso de alguma forma: eu não faço nada que exija atenção redobrada antes das 10 ao menos que eu seja obrigado por força maior… Encontre o que melhor funciona pra você e aprenda a não se comparar com o coleguinha. Concentrar as atividades maiores e mais pesadas na prioridade principal da sua lista também ajuda para que você consiga chegar no final do dia sem a sensação de culpa que não “fez nada” e bater aquela vontade de ficar mais umas horas no escritório…

 

4 – procure ajuda profissional em caso de suspeita de depressão, solidão ou problemas relacionados a saúde física e mental.
SÉRIO, se caso você esteja se isolando do convívio social, engordando rapidamente, dores de cabeça constantes, vista cansada… Procure ajuda. Não é vergonha nenhuma ir ao clínico geral do seu plano de saúde e relatar que você está com problemas, que anda cansado já pela manhã mesmo depois de dez horas de sono… Procure ajuda, se cuide. Ninguém vai cuidar de você quando você parar de trabalhar por conta de um diagnóstico de depressão ou de apneia do sono grave; vai ter gente que vai te julgar, vai falar que é “frescura” mas siga em frente e não seja negligente consigo mesmo, sua família e seus amigos de verdade agradecem. Eu só procurei ajuda quando minha esposa, na época minha namorada, falou que tinha problemas e que isso já estava impactando em outros campos da minha vida.

 

5 – Entenda quando e onde é necessário acelerar de verdade.
Nosso corpo gasta MUITA energia e, assim como gasolina anda cara, não podemos ficar colocando nossos esforços em vão. Para isso, você precisa ser parte do contexto onde trabalha e não apenas um frequentador. Fique a par de tudo que acontece dentro do projeto que você trabalha, tenha uma visão crítica sobre o andamento dos projetos e principalmente sobre os prazos: hoje ainda vemos MUITOS projetos em TI, por exemplo, que utilizam práticas ágeis mas são projetos de escopo fechado, com datas de início e fim e ai quando o time estima e o prazo passa da data que o vendedor vendeu o projeto, e o cliente não abre mão disso, temos o velho e maldito embate do gerente de projetos versus estimativas do time… Vale a pena colocar esforço nisso? Isso é rotina onde você trabalha ou foi um acidente? Quem vai determinar se é uma causa válida é você, porém se você não conhecer bem as pessoas e o seu trabalho nunca vai ter subsídios para tomar esse tipo de decisão e SEMPRE vai cair nas horas extras bobas por um prazo que é surreal de algo que ninguém levou em conta a tua opinião.

 

É isso, jovens. Espero ter ajudado alguém hoje.
E se precisar de alguém para conversar, pode contar comigo.

comentários

comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *